domingo, 18 de novembro de 2012

Interatividade num objeto de aprendizagem online

Chamou-me particularmente a atenção a apresentação realizada por Júlia Tomás, sobre a importância da interatividade na aprendizagem já que, como gestora de uma plataforma de ensino à distância, sinto a resistência dos interessados em formação nesse regime.

Para a maioria dos aprendentes, este formato não é tão passível de induzir o mesmo nível de aprendizagem. Será que as pesquisas o confirmam? Como se poderá progredir neste aspecto?

Embora os estudos realizados pela autora tenham-se centrado nos diferentes níveis de interatividade de um recurso educativo digital e na forma como produzem efeitos na satisfação do aprendente e nos resultados da sua aprendizagem, julgo que as conclusões possam ser extensíveis à interatividade em sala de aula relativamente à que acontece no ensino à distância.

Assim, face às hipóteses sobre o nível de utilização das TIC e a satisfação e o nível de utilização das TIC e a aprendizagem, os resultados demonstram que os níveis de interatividade presentes nos recursos educativos influenciam os resultados obtidos na aprendizagem dos conteúdos apresentados, ou seja, o grupo de sujeitos que visionaram o recurso educativo com maior nível de interatividade foi aquele que obteve melhores resultados no teste de conhecimentos e um maior número de respostas certas. Assim conclui-se que o nível de interatividade do recurso educativo influencia significativamente o grau de interesse e qualidade sentida.

Para além da conclusão da investigadora, de que é importante explorar novas estratégias de integração de elementos interativos nos recursos educativos digitais, para que os aprendentes possam posicionar-se de forma mais ativa em relação aos conteúdos, tornando a aprendizagem mais significativa e promovendo igualmente um maior índice de atratividade e satisfação, consideramos pertinente avaliar em que medida a criação de uma comunidade de práticas, um grupo on-line com partilhas comuns, beneficia a aprendizagem e a resiliência no sentido da conclusão de etapas mais prolongadas como os segundo e terceiro ciclos de estudos superiores em regime à distância, comparativamente com os regimes presenciais.

Introdução ao doutoramento

Este primeiro embate no doutoramento faz-me sentir uma estrangeira no país do virtual, desconhecedora de uma linguagem que, para mim, todos usam com todo o conhecimento de causa sem que eu compreenda, à primeira, o que querem dizer. Começando pelas UC's: EMERG, MTRTD,passando pela designação da conferência: myMPeL2012, até aos próprios tópicos dentro da conferência: MOOCs??

Consultando a apresentação do Prof. José Mota consigo descortinar que MOOCs significa Massive Open Online Course. Passando da estranheza da designação à estranheza dos conteúdos verifico os blogues dos outros colegas, nomeadamento do colega Gaspar Amaral, que conseguem retirar um manancial de informação muito grande sobre este tema, de uma forma bastante esquemática e visual, que merece a minha admiração.

No entanto, esta visita aos conteúdos da conferência myMPeL2012, permite-me encontrar algum conforto nos conteúdos do Prof. António Moreira Teixeira "A propósito do futuro da educação na Europa". Um conforto de um enquadramento inicial que, sem nos trazer nova informação, nos permite avançar a partir dali porque nos dá:

Uma visão:
"O principal desafio na próxima década é o da diminuição do custo da Educação pública de qualidade e a massificação do acesso aberto à criação, disseminação e preservação partilhadas do conhecimento."

Uma directriz:
"A investigação deverá assumir um carácter mais holístico e integrado e encontrar um novo foco central nos aspetos éticos do ensino e da aprendizagem em ambiente virtual."


"Acreditamos que na próxima década a educação aberta virtual oferecerá o acesso aberto a recursos e especialistas e promoverá a personalização dos curricula, tornando imperioso que se definam novas formas de avaliação da aprendizagem e de certificação."

E é a partir daqui que me encontro com as minhas motivações e espectativas, enfim, com o meu doutoramento.

Dificuldade de acesso conferência myMPeL2012

Uma primeira palavra para os constrangimentos de quem, trabalhando e querendo acompanhar as actividades lectivas do doutoramento,  tem horários reduzidos para o poder fazer. Esta foi a imagem a que consegui aceder, enquanto se ouvia música clássica.

Não cheguei a perceber se por a conferência estar em intervalo ou por eu não ter acesso a alguma configuração necessária.
Assim, tentei mas não consegui aceder on-time à conferência, pelo que a minha reflexão sobre a mesma terá por base os suportes em que decorreu e que se mantêm acessíveis a posteriori, o que é, por si, julgo, uma perscpetiva bastante específica.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

myMPeL2012



Este espaço será para reflectir sobre as aprendizagens neste percurso. Fique por aí!